domingo, 21 de maio de 2017

Biografia de Bonga

BONGA (José Adelino Barceló de Carvalho) (n. Porto de Kipiri, Angola, 5 Set. 1942). Cantor, autor de letras e percussionista angolano radicado em Portugal.
É um dos mais destacados intérpretes da música angolana internacionalmente e o seu principal divulgador no país.
Durante a infância acompanhou, enquanto percussionista, o seu pai, Pedro Moreira de Carvalho, um interessado na concertina abordada de acordo com a tradição da rebita da região de Luanda.
Cresceu no ambiente dos musseques de Luanda, os bairros periféricos e pobres da cidade, exclusivamente habitados pela população angolana negra, onde a música, a oralidade, a dança e o desporto eram indissociáveis e articulavam formas de resistência anticolonial.
A partir de finais da década de 50 tocou percussões em grupos como Os Ilundos, Kimbandas do Ritmo e Kissueia, que procuravam valorizar a cultura expressiva kimbundu por oposição aos valores e práticas culturais promovidos pela governação colonial. Em paralelo, a participação em competições desportivas opondo jovens dos bairros de Luanda, tornaram-no num atleta destacado. Foi atleta do São Paulo do Bairro Operário e do Clube Atlético de Luanda e recordista dos 200 e 400 metros corrida em Angola.
Mudou-se para a então metrópole em 1966 conjuntamente com o atleta e músico Rui Mingas para praticar atletismo em representação do Sport Lisboa e Benfica e da selecção nacional de Portugal.
Tornou-se músico acompanhante de intérpretes angolanos que passavam pela metrópole (Elias Diá Kimuezo) ou que nela desenvolviam uma carreira (*Duo Ouro Negro, Eleutério Sanches, Lilly Tchiumba, Teta Lando, Vum Vum).
O crescente envolvimento com a luta anti-colonial levou-o a exilar-se em Roterdão, na Holanda, em 1972, junto da comunidade africana, sobretudo cabo-verdiana, aí residente.
Nesse ano gravou o seu primeiro fonograma, Bonga 72, acompanhado pelo angolano Mário Rui Silva e pelo cabo-verdiano Humbertona (Humberto Bettencourt), ambos violistas. A gravação apresentava um repertório assente num acompanhamento de violas e percussão, e em textos de conteúdo político, interpretados com uma forte carga dramática. Estas características expressivas estabeleceram os contornos do seu repertório gravado durante a década de 70.
O impacte do fonograma em Angola e em outros países africanos de expressão portuguesa, onde circulava clandestinamente com capas de outros fonogramas, incentivou-o a optar definitivamente por uma carreira musical.
Em 1973 mudou-se para a Bélgica e Alemanha, onde viveu em trânsito até 1977, gravando Angola 74 (1974) Raízes (1975)e Angola 76 (1976).
A convite do músico brasileiro Sebastião da Rocha, mudou-se para Paris em 1977 para integrar o grupo Batuqui, que ambos abandonaram em 1979 para formar um duo de música “afro-brasileira” destinado a actuações em bares e cafés-concerto.
Em 1980, já como intérprete solo, gravou o LP Sentimento para a editora Chant du Monde, actuando nos primeiros anos da década nos festivais de Avignon, Lyon, Angoulême e no Africavision, no Gabão.
Integrado nos circuitos de produção musical de intérpretes das Antilhas (Molovoi, Kassav) e da África francófona (Manu Dibango), afirmou-se como um importante divulgador da música urbana africana em França.
Em 1985 regressou a Portugal, onde se tornou no mais significativo representante da música angolana. A popularidade da canção Olhos Magoados (1985) extravasou o público africano, tornando-o igualmente reconhecido pelo público português.
Até ao final do século, gravou c. de uma dezena de fonogramas, actuando regularmente em salas de concerto, festivais, em discotecas e na televisão. É a partir de Portugal que faz a gestão da sua carreira, igualmente direccionada para os mercados africano e europeu da música.
O repertório do cantor é constituído a partir de diversos géneros performativos angolanos como rebita, semba, kilapanga, kazuguta, o lamento ou as práticas expressivas do Carnaval de Luanda, cujos traços estilísticos, sobretudo rítmicos, integra num estilo musical sincrético que recorre a uma instrumentação electro-acústica e electrónica alargada (guitarra e baixo eléctricos, instrumentos de tecla) que compreende igualmente instrumentos de percussão tradicionais angolanos (como a dikanza cuja utilização constitui uma das marcas definidoras do seu estilo musical e performativo).
O seu estilo musical transporta marcas da música popular de Angola e das suas múltiplas influências culturais, mas igualmente do movimento da música popular da Costa Ocidental Africana e das Antilhas no qual participou activamente no início da década de 80 (sobretudo aquando da emergência do zouk).
O acompanhamento instrumental e arranjos do seu repertório gravado e interpretado ao vivo recebem o contributo de diversos instrumentistas africanos vivendo em Portugal como António Costa Neto (baixo eléctrico), Nanuto (António Manuel Fernandes; instrumentos de sopro), Betinho Feijó, Carlitos Semba (guitarra eléctrica), Dom Lanterna (instrumentos de tecla), entre outros.
A voz rouca e um estilo vocal ornamentado constituem traços distintivos do seu estilo interpretativo. Os seus poemas, cantados em português e kimbundu, têm um forte conteúdo político, acompanhando e reflectindo numa perspectiva crítica a realidade social de Angola.
As suas descrições, marcadas pela linguagem informal, pelo humor e pela criatividade linguística do dia-a-dia, procuram traduzir a experiência de vida e as inquietações das populações, que conhece da sua infância e juventude passadas nos musseques. É nesse contexto que, no final do século, se situam as suas personagens centrais e onde o drama da guerra implica a perda de valores e comportamentos comunitários, de união familiar, da amizade, do exercício espontâneo da crítica ou da criatividade cultural.
Discografia: (1972) Bonga 72. Morabeza Records [LP]; (1974) Angola 74. Morabeza Records [LP]; (1975) Raízes. Morabeza Records [LP]; (1976) Angola 76. Morabeza Records [LP]; (1979) Kandandu. Electromóvel [LP]; (1986) Sentimento. Chant du Monde [LP]; (1987) Angola. Sunset France/Playa Sound/Audivis; (1989) Malembe Malembe. DIS [LP]; (1989) Reflexão. DIS [LP]; (1990) Diaka. DIS; (1991) Malembe Malembe e Reflexão. DIS; (1992) Gerações. DIS; (1992) Mutamba. DIS; (1994) Fogo na Kanjica. VID; (1996) Preto e Branco. VID; (1998) Dendém de Açúcar. VID; (s.d.) Katendu. Celluloid – Melodie.
WWW.MUSICASBOAS.CO.UK

Translate

Seguidores Fanpage

Previsão do tempo real

Blog Archive

AVISO IMPORTANTE DE MUSICASBOAS

WARNINGS IMPORTANT: All material found here is the property of their respective authors and is only promotional purposes, that is, all material found is the responsibility of those who made the product and created, do not duplicate or commercialize any material found on our site. Law 10.695 Say no to Piracy. It remembers that the artists through the same or of their production, have total right on the archives shared on our site, and you may delete or change them at any time where this can be done through our contact available on our website.

Total de visualizações